Economia e política, conhecimentos gerais, contos e crônicas, avisos, cartas, humor.

A BRIGA DO ADVOGADO COM O FÍSICO
28/11/
/2009

"Contaram-me que, no último dia do mês passado, a Praça Sete transformou-se, pro alguns instantes, em um campo de batalha.

Eis o que houve:

Um físico e um advogado se esbarraram.  advogado, pessoa jurídica que era, beirava dois metros de altura, sequer balançou; a pessoa física caiu* tonta na calçada.

Teve lugar, então, a desconsideração da pessoa jurídica: o físico bradou contra ela graves acusações e adjetivos. De imediato, o advogado retrucou:

- Que presunção de inocência é essa?! Você obstaculizou o meu direito de ir e vir!

Ambos tinham personalidade.

- Não és gente, és uma massa falida! - esbravejou o vetorial varão, que, em seguida, arremessou um direito material contra a cabeça do causídico.

Diante da violência real, o jurisprudente tomou a medida cautelar cabível: afastou-se um pouco para possibilitar uma ampla defesa. Cuspiu perto do nanico inflamado, agora em vivas chamas:

- Tu me escarras, o coisa cheia de vícios redibitórios?!

A turba engrossava. Os transeuntes procuravam conhecer a causa e julgar o mérito da questão.

O patrono, após chamar ao adversário de absolutamente incapaz, se jogou sobre ele.

Houve tamanha ferocidade e velocidade nos golpes subseqüentes, que nada mais se pôde distinguir.

Finda a batalha, o povo sentenciava: "Empate. Esta era a verdade formal.  A verdade real fora bem outra: a pessoa jurídica massacrava o discípulo de Einstein.

Moral: Nem sempre a pessoa física tem força física.

*Caiu: com aceleração constante, desprezando-se a resistência do ar.

(Paul Medeiro Krause, Voz Acadêmica, Jornal dos Estudantes da Faculdade de Direito da UFMG, 01/02/1997).

Ver mais CONTOS E CRÔNICAS                     

..

BUSCA
Google

PROCURE NA CAIXA ABAIXO