DIA UNIVERSAL DO PERDÃO
24 de dezembro

 

 24 de dezembro é o "Dia Universal do Perdão".  Mas é bem estranha a doutrina cristã do perdão.


"O perdão é um processo mental ou espiritual de cessar o sentimento de ressentimento ou raiva contra outra pessoa ou contra si mesmo, decorrente de uma ofensa percebida, diferenças, erros ou fracassos, ou cessar a exigência de castigo ou restituição.

O perdão pode ser considerado simplesmente em termos dos sentimentos da pessoa que perdoa, ou em termos do relacionamento entre o que perdoa e a pessoa perdoada. É normalmente concedido sem qualquer expectativa de compensação, e pode ocorrer sem que o perdoado tome conhecimento (por exemplo, uma pessoa pode perdoar outra pessoa que está morta ou que não se vê há muito tempo). Em outros casos, o perdão pode vir através da oferta de alguma forma de desculpa ou restituição, ou mesmo um justo pedido de perdão, dirigido ao ofendido, por acreditar que ele é capaz de perdoar.

O perdão é o esquecimento completo e absoluto das ofensas, vem do coração, é sincero, generoso e não fere o amor próprio do ofensor. Não impõe condições humilhantes tampouco é motivado por orgulho ou ostentação. O verdadeiro perdão se reconhece pelos atos e não pelas palavras.

Existem religiões que incluem disciplinas sobre a natureza do perdão, e muitas destas disciplinas fornecem uma base subjacente para as várias teorias modernas e práticas de perdão.

Exemplo de ensino do perdão está na "parábola do Filho Pródigo" (Lucas 15:11–32).

Normalmente as doutrinas de cunho religioso trabalham o perdão sob duas óticas diferentes, que são:

* Uma ênfase maior na necessidade das faltas dos seres humanos serem perdoadas por Deus;
* Uma ênfase maior na necessidade dos seres humanos praticarem o perdão entre si, como pré-requisito para o aprimoramento espiritual.
(Wikipédia).

 

A lenda do pecado original nos mostra que, para o deus criador dos hebreus, não havia perdão.  A mulher pecou e levou o homem ao pecado, ambos foram condenados, e toda a sua descendência para sempre.  Igualmente a cobra, que na época falava como humanos, foi condenada a arrastar-se sobre o ventre e comer pó, bem como toda sua descendência.

Posteriormente, aparecem alguns episódios em que o deus onipotente perdoa os pecados de Israel.

No Cristianismo, já surgiu a idéia de perdão bem mais simples.  Basta crer em Jesus.  Se, porém, não crer, o indivíduo está condenado a se queimar eternamente.

"Que crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado", é a regra evangélica (Marcos, 16:16).

Entretanto, na parábola do rico e Lázaro, o rico foi condenado eternamente às chamas, não por não crer, mas por ser rico,  e Lázaro foi para o paraíso, não por crer, mas por ser pobre

E, na prática, o Cristianismo Romano, aquele que adquiriu o poder político, nem esperava mais pela condenação divina; punha o incrédulo vivo na fogueira. 

Aquele que voltasse atrás, concordando com tudo que a Igreja exigisse, se livrava de morrer queimado, ficando, porém vigiado e proibido de muitas coisa.

 

Ver mais sobre

 

..

.