O GRANDE MATADOR
-- 23/05/2001 --

Grande é pouco. Considerem-me o maior dos matadores.

Muita gente bonita ganhou milhões para aparecer comigo em público, e isso lhes custou pouco: era um pouco difícil no início, tornando-se fácil em alguns dias e necessário em pouco tempo, custando-lhes as vidas um pouco depois. Mas o mais hilariante é que os imbecis que as viam me usando esforçaram por fazer o mesmo gratuitamente, e conseguiram, perdendo muito sem ganhar nada.

Você se lembra da Gilda, ou melhor, da Rita Hayworth? Ela ela podia ter vivido mais e não ter ficado louca. Quantas ingênuas a imitaram lançando fumaça para cima! Mas parece que restam muito poucas para contar a história. Foram cedo para o além. E John Ford, Robert Mitchum, Elvis Presley, Humphrey Bogart e Marcello Mastroianni? São alguns de uma extensa lista, que eu levei. Graças a eles muitos outros já desceram aos infernos, e não ressurgiram dentre os mortos para advertir seus familiares.

Você conheceu Wayne MacLaren e David McLean? Estão sob a terra de Marlboro. Morreram jovens de Câncer de Pulmão, em 1992 e 1995 respectivamente. Causa mortis: maços e maços nas filmagens dos comerciais de cigarro. O seu deputado Luiz Eduardo Magalhães praticava muitos exercícios físicos para manter resistentes o coração e os pulmões. Mas eu fui mais eficiente: consegui enviá-lo cedo para o outro mundo. A lista seria extremamente grande se fosse mencionar todos os famosos aqui. Eu consegui, em poucos séculos, eliminar mais gente do que todas as guerras da história do planeta; sozinho consigo levar para a última morada mais do que todas as outras drogas reunidas em conjunto com a AIDS, os acidentes de automóveis e suicídios, além do fedor que espalho por todos os lados. Por isso é justo quando me chamam de “o maior assassino do planeta”, a “maior causa de morte” e outras coisas. Orgulho-me disso.
Tabaco de Souza Cruz.


Ver MAIS

 

..

.