Economia e política, conhecimentos gerais, contos e crônicas, avisos, cartas, humor.


PARE DE FUMAR DEFINITIVAMENTE
(10/05/2009)

Guia completo com dicas para você parar de fumar e nunca mais voltar.

História do Fumo

Acredita-se que os primeiros povos a fumar tabaco foram as civilizações maias da América Central, cerca de mil anos antes de Cristo. Em 1492, depois de Cristóvão Colombo chegar ao Novo Mundo, membros de sua tripulação retornaram para casa contando histórias de povos cubanos que inalavam fumaça de folhas queimadas, um ritual que supostamente reduzia o cansaço, agia como estimulante e abrandava os efeitos da sífilis.

Em 1586, o cientista inglês Thomas Hariot ficou maravilhado com o poder curativo da fumaça “sagrada” – levada por meio de cachimbos de barro ao estômago e à cabeça, “de onde retiram (...) os líquidos repulsivos e desobstruem todos os poros e as vias do corpo”.

Porém, em 1858, temores sobre os efeitos nocivos do fumo foram levantados pela primeira vez, na revista The Lancet. Quase um século depois, em 1950, o British Medical Journal publicou evidências de uma relação entre o câncer de pulmão e o fumo.

Os efeitos do cigarro

Hoje, sabemos que fumar cigarros reduz a expectativa de vida dos usuários. Em 2004, um relatório do Estudo dos Médicos Britânicos (que acompanha a saúde de 34.439 médicos há 50 anos) indicou que os profissionais que mantiveram o hábito do fumo morreram em média 10 anos mais jovens do que os que nunca acenderam um cigarro. A boa notícia é que parar de fumar aos 60, 50, 40 e 30 anos de idade garantiu, respectivamente, três, seis, nove e dez anos a mais de expectativa de vida.

Fumar acelera a freqüência cardíaca, eleva a pressão arterial, estimula os fatores de coagulação do sangue, destrói o “bom” colesterol (HDL), aumenta os triglicerídeos e danifica o revestimento dos vasos sanguíneos. Isso sem falar de seu papel nas doenças vasculares, como impotência e derrame cerebral, bem como em doenças pulmonares, como bronquite crônica e enfisema.

Cada vez que você traga a fumaça de um cigarro, mais de 4.000 substâncias químicas são lançadas em sua corrente sanguínea. Cerca de 50% dessas substâncias causam câncer no longo prazo. A cada baforada você também inala dois potentes venenos – nicotina e monóxido de carbono – que, juntos, criam uma carga pesadíssima para o coração.

É a nicotina que leva a maioria dos fumantes a acender o cigarro. Ela propicia uma relaxante e prazerosa sensação de euforia. Mas é um estimulante tóxico, que o levaria à morte se você absorvesse toda a nicotina de dois cigarros apenas. Nós absorvemos somente uma fração das substâncias químicas de cada cigarro, mas ela é suficiente para elevar os batimentos cardíacos a níveis perigosos.

Outra substância que se forma com a queima do tabaco do cigarro é o monóxido de carbono, o gás tóxico emitido pelo motor dos automóveis. Essa substância, quando aspirada, substitui o oxigênio das hemácias, obrigando o coração a fazer um esforço maior para coletar oxigênio e nutrientes do sangue. Para piorar as coisas, o acúmulo de gordura acarretado pela exposição à nicotina e ao monóxido de carbono, presentes no cigarro, causa um estreitamento dos vasos e das artérias, limitando ainda mais o suprimento de sangue para o coração.

Com o passar do tempo, é quase certo que você terá vasos e artérias obstruídos, que podem causar danos permanentes ao coração. Ao mesmo tempo, a falta de oxigênio para o coração sobrecarregado abre o caminho para um infarto. Quanto mais tempo, e quanto maior o número de cigarros que você fumar, maior será o risco.

Pare de Fumar agora e reverta os malefícios do cigarro

Embora a maioria das notícias em torno do uso de tabaco sejam desanimadoras, existe uma esperança no meio dessa nuvem de fumaça. É possível interromper os efeitos nocivos imediatamente, e até reverter os danos, tomando uma atitude firme contra o tabaco. Não importa há quanto tempo você fuma; seu risco de sofrer um infarto começa diminuir 24 horas após largar o vício.

Depois de um ano, seu risco de desenvolver doenças cardiovasculares relacionadas ao tabaco já é a metade do risco de um fumante, e 15 anos depois que você apaga seu último cigarro, o risco cai ao nível de uma pessoa que nunca fumou. Eis o que você precisa saber para banir o cigarro.

Como parar de fumar definitivamente

Encontre um estímulo para largar o cigarro
Agora você já sabe que o tabaco é prejudicial para sua saúde – uma informação, aliás, que você encontra estampada em todos os maços de cigarro. A maioria dos fumantes sabe que o cigarro faz mal, mas esse conhecimento não serve de estímulo para fazê-los parar. Eles precisam encontrar uma motivação externa. Por exemplo, parar de fumar pelas pessoas que amam, como filhos e netos.

Pense em quantos momentos especiais você deixaria de ver se sua vida fosse abreviada em 10 ou 15 anos. O nascimento de um neto? O casamento de um neto? Pense nas pessoas próximas – família e melhores amigos. Quem fará mais falta a você, ou a quem você fará mais falta, se morrer cedo? Pare de fumar por eles.

Peça ajuda a seu médico para deixar de ser fumante
Embora não seja contra a lei, o tabaco pode causar tanta dependência quanto as drogas de uso proibido, como cocaína e heroína. Para abandonar o vício, podem ser necessárias duas ou três tentativas, ou até mais.

Estudos mostram que contar com o apoio de um médico aumenta as chances de sucesso. Mas não espere ele tomar a iniciativa de abordar esse assunto delicado. Segundo pesquisas, pouco mais da metade dos fumantes que vão ao médico regularmente já foram aconselhados a parar. Tome a iniciativa. Diga a seu médico que gostaria de parar de fumar e peça ajuda.

Experimente os substitutos de nicotina
As pessoas costumam avaliar como útil a Terapia de Substituição de Nicotina (TSN) no período inicial. Os produtos usados no lugar da nicotina incluem chicletes, adesivos, pastilhas, inaladores e sprays nasais.

Não confie nas versões de cigarros lights
Mudar para marcas de cigarros “mais suaves” não vai fazer bem a sua saúde ou ajudá-lo a parar. Com o cigarro light as pessoas tendem a aspirar com mais intensidade, por mais tempo e com mais freqüência, para sentir o efeito da nicotina.

Da mesma forma, passar para o charuto ou o cachimbo não é uma boa estratégia, já que você continua absorvendo nicotina na corrente sanguínea e provavelmente continua tragando pelo menos uma parte de cada baforada.

Confie nos exercícios físicos no combate ao cigarro
Exercitar-se regularmente pode ajudar a parar de fumar porque é uma forma de queimar os hormônios do estresse, o que diminui o desejo de fumar, além de produzir substâncias químicas que levam uma sensação prazerosa para o cérebro, reduzindo os efeitos incômodos da privação de nicotina.

Pesquisas concluíram que os fumantes que se exercitam têm duas vezes mais chances de abandonar o hábito do que os sedentários. Exercícios diários também ajudam a evitar o temido ganho de peso associado ao abandono do cigarro, que costuma variar de 2 kg a 5 kg.

Mascar fumo não resolve
Mascar fumo ou tabaco não é uma alternativa inofensiva. É verdade que assim você não aspira monóxido de carbono, mas os níveis de nicotina são igualmente elevados, aumentando o risco de desenvolver pressão alta e doenças cardiovasculares. Também aumenta o risco de câncer da boca. Se você precisa de uma ocupação para a boca, tente mascar chiclete sem açúcar.

Evite más influências, ou seja, companhia de fumantes
O contato freqüente com fumantes não só atrapalha sua tentativa de parar de fumar, por causa da tentação sempre presente, mas também faz mal a sua saúde, porque o obriga a respirar o ar poluído que eles produzem.
O fumo passivo não provoca apenas câncer de pulmão e doença cardíaca em não-fumantes, mas também morte no berço, doenças respiratórias, infecções de ouvido e ataques de asma em crianças.  Se você mora com um fumante, leve o cinzeiro para fora e combine que ele deve ficar lá.

Parar de fumar é importante, mas não voltar é mais ainda

O grande escritor americano Mark Twain comentou certa vez, com seu habitual senso de humor: “Parar de fumar é fácil. Eu mesmo já parei inúmeras vezes.” Não existe verdade maior sobre o assunto.  A nicotina causa profunda dependência, e para algumas pessoas não é nada fácil livrar-se dela.

Uma vez fisgado, diminuir a quantidade ou eliminá-la por completo pode levar a uma longa lista de sintomas de abstinência, como irritabilidade, depressão, frustração, raiva, agitação, dor de cabeça, fadiga, aumento do apetite, dificuldade de concentração e distúrbios do sono. Aqui estão algumas estratégias para que você seja bem-sucedido:

1. Marque uma data para parar de fumar

Parar de fumar exige um preparo mental. Escolha uma “data de parar” no prazo de um mês e marque-a no calendário.
Agora prepare o terreno para sua nova vida sem o cigarro. Esse é um momento empolgante, então aja com entusiasmo.
Faça estoques de chicletes sem açúcar, sementes e frutas.
Na véspera do grande dia, jogue fora todos os seus cigarros, cinzeiros, fósforos, isqueiros e outros acessórios ligados ao fumo. Agora você não é mais fumante; não vai precisar deles.

2. Anuncie sua decisão de deixar o cigarro

Conte a seus amigos, colegas e familiares que você marcou um dia para parar de fumar. Não fique constrangido se já tiver proclamado isso antes.
Lembre-os de que é normal precisar fazer várias tentativas e peça a ajuda deles para que esta seja a última vez.

3. Esteja preparado para sentir falta do cigarro

As pessoas podem ficar deprimidas ao largar o fumo, principalmente as mais velhas, que também estão sujeitas a estados de confusão devido à debilitação temporária da memória e da concentração. Como em relação ao ganho de peso, é útil estar preparado. Em outras palavras, planeje como lidar com esses sintomas, caso ocorram, e não hesite em buscar o apoio de seu médico, em vez de voltar ao cigarro em um ato de desespero.

4. Busque apoio de grupos anti-tabagismo

Os estudos mostram que construir uma sólida rede de apoio aumenta as chances de sucesso. O grupo Fumantes Anônimos oferece pronto apoio, folhetos e outras informações para abandonar o hábito de fumar. Procure um local de reunião no link ou informe-se em qualquer clínica ou hospital. Quase todos os hospitais oferecem programas para abandonar o cigarro. Tente trabalhar com um grupo nos três primeiros meses – este é o período em que ocorre a maioria das recaídas.

5. Invente uma distração para preencher o tempo do cigarro

Fumar também é um passatempo, além de um vício. Você fuma para ter o que fazer nos intervalos do trabalho, enquanto dirige e nas horas de lazer. Quando você parar, sentirá falta de alguma coisa nesses momentos. Preencha o espaço com outras atividades. Cante suas músicas preferidas enquanto ouve seus CDs no carro. Faça pequenas caminhadas nos intervalos em que costumava fumar no trabalho. Escolha uma atividade manual para relaxar em casa, como crochê ou montar quebra-cabeças. Você sentirá menos falta do cigarro mantendo-se ocupado.

6. Considere a substituição de nicotina

Muitos fumantes conseguem parar de fumar sem ajuda externa, mas suas chances de sucesso duplicam se você usar algum tipo de reposição de nicotina durante a fase inicial. Os substitutos não provocam a mesma sensação que os cigarros, mas são eficazes na redução do desejo. O objetivo não é substituir o fumo e sim afastá-lo da nicotina. Suas chances de sucesso aumentam ainda mais se você combinar a TSN com um medicamento controlado chamado Zyban (cloridrato de bupropiona). Desenvolvido como antidepressivo, o Zyban parece bloquear as áreas do cérebro associadas à dependência e aos efeitos prazerosos da nicotina. Isso não reduz só o desejo de fumar, mas também os sintomas físicos da privação da nicotina. (É importante notar que produtos à base de nicotina podem provocar dor de cabeça, náusea e tontura. Os efeitos colaterais do Zyban incluem náusea, agitação, ansiedade, boca seca e dor de cabeça; o medicamento também pode agravar os distúrbios do sono que muitas pessoas passam a ter ao tentar parar de fumar.)

7. Evite situações ou circunstancias que te façam sentir vontade de fumar

Identifique substâncias que aumentam o desejo de fumar – o café e o álcool são as mais comuns – e faça o máximo para evitar situações em que você procuraria um cigarro no bolso nos tempos em que ainda fumava. Pode ser benéfico evitar o álcool e beber água mineral ou sucos de fruta durante o período de vulnerabilidade inicial (dois ou três meses). Depois, você conseguirá aproveitar um drinque com mais segurança. Mas lembre-se de que o álcool reduz a censura, portanto você precisará permanecer atento.

8. Espere dez minutos toda vez que pensar em fumar

Quando sentir aquela vontade irresistível de acender um cigarro olhe para o relógio e espere 10 minutos. Durante esse período, respire fundo, como se estivesse aspirando a fumaça de um cigarro. Essa inspiração vai encher seus pulmões de ar puro, livre de fumaça, causando um relaxamento. Quando passarem os 10 minutos, aquela vontade irresistível de fumar terá ido embora.

(Fonte: http://www.selecoes.com.br/fumo)

 

Ver mais sobre  TABACO

Para abrir em nova janela, mantendo esta página aberta, pressione SHIFT ao clicar no link.

- -

BUSCA
Google

PROCURE NA CAIXA ABAIXO