PREVIDÊNCIA DO SERVIDOR PÚBLICO

05/09/2017

 

"O trabalhador da empresa privada está financiando a previdência do servidor público" (Francisco Câmpara, Rádio Super, 04/09/2017).  Será que Francisco Campara não conferiu com quanto um funcionário público contribui para a Previdência, ou simplesmente está a serviço dos que querem privatizar a Previdência?

 

O teto da previdência pública, que já foi vinte salários mínimos, hoje caiu para R$5.189,82, e as coisas tendem a piorar.  É o que os bancos querem, e o governo sempre pende para o lado deles.  E, quando se fala em previdência do serviço público, aí é que muitos ficam irritados.  Pois, no serviço público não há esse teto.  O teto é a remuneração do servidor.  Mas, o que se evita levar a público é que a contribuição do servidor público também é sobre toda a remuneração.

 

Um trabalhador da empresa privada, ainda que ganhe R$20.000,00 (vinte mil reais), contribui para a Previdência com 11% de R$5.189,82, tendo direito a uma aposentadoria de no máximo R$5.189,82 (cinco mil cento e oitenta e nove reais e oitenta e dois centavos). 

 

Diante disso, dizem ser injusto um servidor público que ganhe 20.000,00 aposentar-se com 20.000,00.  Mas escondem a informação de que o servidor público contribui com 11%, não de R$5.189,82, mas de R$20.000,00.  Aí está a falácia do argumento da injustiça dos proventos do servidor público.  Se o trabalhador tem direito a se aposentar de acordo com sua contribuição, por que seria injusto quem contribui sobre um valor de 20.000,00 aposentar-se com um provento de 20.000,00?

 

O teto da previdência caiu de vinte salários mínimos para o valor atual (R$5.189,82) e tende a cair mais, não para viabilizar a previdência pública, mas para forçar todos os trabalhadores a utilizar a previdência privada, que é muito lucrativa para os bancos, e é uma seguridade um tanto insegura, haja vista os vários fundos de previdências quebrados ao longo dessas poucas décadas da história previdenciária.

 

Se o teto da previdência hoje fosse de vinte salários mínimos, o gasto previdenciário seria bem maior do que é atualmente, mas o volume de contribuições seria proporcionalmente bem maior, apenas os lucros dos bancos com previdência privada seria bem menor.  Os donos do capital têm horror a isso.

 

A alegação de Campara de que o empregado da empresa privada financia da previdência do servidor público não é verdadeira, uma vez que o servidor público tem uma contribuição sem teto para fazer jus a uma aposentadoria também sem teto.

 

Ver mais POLÍTICA BRASILEIRA

 

..

.