PRIVATIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO

 

Hoje se fala muito em privatização de tudo, até da educação e da saúde.  E, ao que parece, até os que dependem dos serviços públicos estão sendo convencidos de que isso seja bom.  Daria mesmo certo?  Ou seria trágico para o país?

 

Para exemplificar como seria, vou usar a minha experiência, como vim de um interior muito pobre até aqui.

 

Nasci perto de uma escola pública rural, onde havia apenas uma sala grande com carteiras de madeiras para acomodar os alunos,  um quadro e giz e uma professora que lecionava sozinha para alunos do primeiro, do segundo e do terceiro ano.  Livros eram aqueles preparados segundo os ditadores da época.  Só tínhamos que comprar cadernos.  Como vivíamos com muito pouco dinheiro, e eu gostava de escrever, quando estava fora da escola em escrevia muito em folha de bananeira, para não gastar caderno.

 

Terminado o terceiro ano, tive que andar nove ou dez quilômetros da minha casa até uma escola na cidade.  Tive um benefício: a escola aceitou que eu estudasse sozinho os materiais da minha irmã que frequentava a escola diariamente e fosse lá só para fazer as provas.  Com isso, eu não precisei caminhar esses dez quilômetros o ano inteiro e fiz a quarta série primária.

 

Depois disso, mudamos para Mato Grosso e, após uma década sem frequentar escolas, fui fazer a quinta série em outra escola pública em Rondônia.  Minha professora de Português me informou que havia ali um supletivo no qual eu poderia terminar o primeiro grau eu dois anos, já que o meu conhecimento estava bem além do que me era ensinado na quinta série, e o supletivo seria fácil para mim. Ouvi a professora, fiz o supletivo, completei o primeiro grau.  Nessa época, eu já havia saído da vida rural e trabalhava com fotografia.

 

Já tendo um pouco de economia feita com o serviço fotográfico, montei uma sociedade comercial com a minha irmã, o que foi quase totalmente destruído por um incêndio depois de pouco mais de dois anos de atividade.  Decidi vir para Belo Horizonte.  Como não me parecia tão promissor trabalhar com fotografia por aqui, resolvi arranjar um emprego, comprei uma pequena máquina datilográfica, treinei e consegui o primeiro emprego.  Depois de uns três meses trabalhando como datilógrafo em um escritório de uma construtora, fiquei sabendo de um concurso público do Tribunal de Contas, cujas provas eram só Português e datilografia, vi nisso uma boa chance. Mesmo com apenas com primeiro grau e concorrendo com milhares de pessoas de nível superior, me classifiquei bem na prova de Português e a de datilografia foi uma brincadeira.  Nesse período de Tribunal de Contas, já pude pela primeira vez pagar um ensino privado em um cursinho dos mais baratos e fazer o segundo grau também por supletivo.

 

Após três anos no Tribunal de Contas, mediante outro concurso, passei para o Tribunal de Alçada. A essa altura, já tinha passado em outro concurso, na Justiça do Trabalho, mas preferi o Tribunal de Alçada, onde a remuneração estava muito melhor.  As coisas deram uma grande reviravolta, quando Newton Cardoso arrasou com a remuneração dos servidores públicos e Sarney determinou a reposição de grande parte das perdas ocorridas nos tempos da ditadura, e a minha esposa, que trabalhava na Justiça do Trabalho, passou a ganhar mais de três vezes o que eu ganhava no Tribunal de Alçada.  Eu precisei fazer outro concurso e fui para a Justiça do Trabalho.

 

Trabalhando na Justiça, fiz o curso de Direito pela UFMG, o que me possibilitou assumir o cargo de oficial de justiça, para o qual havia feito concurso já próximo do fim do curso de Direito.   Assim, pude pagar escolas privadas para a minha filha, do maternal ao curso superior.

 

Agora pensemos numa história hipotética, essa da privatização da educação.  Imaginemos que isso tivesse sido feito desde os dias da ditadura. 

 

Como meus pais não tinham condições de pagar mensalidades escolares, eu poderia ter continuado vivendo na agricultura, plantando e colhendo ano a ano, sendo hoje mais um analfabeto, sem renda para pagar os altos tributos que pago hoje, e as escolas privadas teriam deixado de ganhar uma boa soma de dinheiro que receberam com a educação da minha filha. Agora multipliquemos isso por milhões.   Pensando em milhões de pessoas no meu lugar, podemos ver que, sem as precárias escolas públicas, as próprias escolas privadas de hoje estaria sem mercado de serviço; milhões de pessoas que hoje são bons contribuintes poderiam estar na miséria, em um país muito mais pobre.  Usando bem o raciocínio lógico, podemos imaginar a tragédia que será se conseguirem privatizar toda a educação.  Agora, imaginem quão devastador seria privatizar a saúde!

 

Ver mais POLÍTICA BRASILEIRA

 

..

.