QUEM NÃO CRER SERÁ CONDENADO

 

"Que crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado" (Marcos, 16:16).  E isso foi cumprido literalmente alguns séculos depois.  O preocupante é que, embora de modo muito ameno, esteja ocorrendo ainda hoje dentro de país dito laico.

Embora os cristãos primitivos dissessem que tudo estaria a cargo de seu deus, quando a ala cristã romana assumiu o poder político, quem não cresse no que eles criam era mesmo condenado, não por um deus, ser imaginário, mas pelos homens que se diziam representantes desse deus.

 

Não obstante a igreja romana tenha perdido o domínio do mundo, suas colônias continuam condenando os que não crêem.  Em nosso país, quem não crer nem fingir crer,  está condenado à exclusão política.  Por isso, os candidatos viram cristãos, e os que chegam ao poder criam leis que subsidiam igrejas e a chamada liberdade religiosa está mais para imposição dos princípios determinados pelas religiões cristãs.

"Esse preconceito habita a política brasileira. É uma história de todos conhecida a tergiversação de Fernando Henrique Cardoso diante da pergunta do jornalista Boris Casoy, num debate entre os postulantes à Prefeitura de São Paulo em 1985, sobre se ele seria ateu. “Se não fosse, é óbvio que teria respondido, de modo direto e claro, à pergunta; se tergiversou, é ateu” – certamente foi isso que pensou algum eleitor. Nos anos seguintes, FHC visitou a Basílica de Nossa Senhora Aparecida no dia da padroeira. Independentemente da crença, ou não, que nutre ou nutria, em Deus, ele tinha de mostrar ao eleitorado que professava uma religião." (Fonte: Ateus do Brasil)

José Serra, cuja esposa já fez aborto, fez da criminalização do aborto, a sua maior bandeira de campanha, uma vez que sabe bem que a soma de católicos e protestantes é a maioria dos eleitores nesse nosso país que insiste na mentalidade de colônia católica portuguesa.

 

4 de outubro de 2007 - “Olha, eu acho que tem que haver a descriminalização do aborto. Hoje, no Brasil, isso é um absurdo que não haja a descriminalização.”
-
Em sabatina à Folha de S. Paulo

(Fonte: G1)

Dilma Rousseff, que já havia declarado ser um absurdo o nosso país ainda não ter descriminalizado o aborto, virou uma cristã antiabortista.
 

Embora a igreja romana tenha perdido o domínio político do mundo, suas colônias continuam condenando os que não crêem.  Em nosso país, quem não crer, nem fingir crer,  está condenado à reprovação nas urnas.  Por isso, os candidatos sempre se tornam cristãos, as leis subsidiam igrejas, e a chamada liberdade religiosa caminha para imposição do cristianismo.

 

Ver mais sobre

                         ou POLÍTICA

..

.