A SUPERSTIÇÃO DO ANO NOVO


No interior na minha infância, havia uma crença de que no dia de ano o primeiro ser vivo que víssemos teria que ser branco para dar sorte.  Se fosse preto, seria um ano de azar.

 

Em um córrego próximo daquele onde nasci, havia uma senhora negra que, segundo as notícias que corriam de boca a boca, no dia 1º de janeiro se levantava de olhos fechados e chamava uma cabra, que era a única coisa branca que existia na casa dela.  Acreditava que, se o primeiro vivente visto por ela no dia fosse o marido ou um dos filhos, o ano não seria bom.

 

E o meu pai contava que, em determinado ano, levantou no dia 1º de janeiro, abriu a porta, e o que viu de cara foi uma pessoa negra.  E nesse ano lhe aconteceu muitas coisas ruins. 

 

O meu pai não era uma pessoa mentirosa.  Imagino que, por acreditar nessa superstição, ele tenha tido a atenção voltada para cada coisa ruim que aconteceu naquele ano, e pode ter havido alguma coincidência de alguns dos acontecimento daquele ano terem sido piores do que os do ano anterior ou do seguinte.  Aí lhe ficou a impressão de ter tido azar devido a ser a a essoa negra a primeira alma que avistou no primeiro dia do ano.

 

A  crença de que ver um vivente negro no início do primeiro dia do ano traz azar é semelhante à de que agosto é um mês de azar, o que faz as pessoas se lembrarem de tudo de ruim que ocorrer no mês de agosto.

 

 

Ver também  AGOSTO, O MÊS DO AZAR

 

..

.