Economia e política, conhecimentos gerais, contos e crônicas, avisos, cartas, humor.

CINEMATERAPIA - FILMETERAPIA

Cinema no divã − Assistir a um filme pode ser muito mais que diversão. A ciência já sabe que personagens bem construídos e histórias inteligentes são bons remédios para a cuca do espectador. É a filmeterapia.

Imagine a cena: paciente e terapeuta assistem juntos à cena de 'Tropa de Elite" em que Matias dá um tiro à queima-roupa na cara de Baiano. O paciente então vira para o médico e diz: 'Sabe que eu me dei conta de que preciso trabalhar melhor o meu lado violento?'.  A prática de terapeutas recomendarem filmes para pacientes, a filmeterapia é cada vez mais comum e tem rendido muitos finais felizes.

Um dos precursores é o psicólogo norte-americano Gary Solomon. No livro 'The Motion Pucture Prescription' ('O Cinema como Remédio', ainda sem uma edição brasileira),  ele afirma que os filmes são verdadeiros exemplos e como a arte pode imitar a vida. 'Se uma pessoa assistir a um longa que se encaixa em sua problemática pessoal, é muito provável que se identifique e encontra um jeito de aprender e crescer com ele', escreve Solomon.

Filmes com enredos semelhantes às histórias dos pacientes são os mais indicados pelos seguidores da filmeterapia, mas não os únicos. 'Também costumo recomendar para meus clientes filmes que de alguma maneira expõem o significado da existência, como os do diretor japonês Akira Kurosawa. Quem procura a psicoterapia e a psicanálise quer entender o significado da sua vida', diz o psicanalista Jacob Pinheiro Goldberg, autor do livro 'psicologia em Curta-Metragem'.

Além de trabalhar no reconhecimento e compreensão de conflitos, a cinematerapia também é indicada para quem precisa equilibrar as emoções. 'Se o paciente estão em depressão, prescrevemos uma comédia para levantar seu astral.  Já se ele estiver muito eufórico, o remédio é um filme mais realista', explica a psicóloga clínica Joya Eliezer.  O resultado, dizem os especialistas, é imediato. 'Não importa a emoção da pessoa - choro, raiva, alegria, excitação -, o alívio é imediato', diz o psicanalista Geraldo Martins, coordenador do projeto 'Ler a Imagem', do Centro Universitário Newton Paiva, em Belo Horizonte.

Mas será que basta sentar à frente da tela e assistir a qualquer filme para a cinematerapia ser eficiente? "antes de mais nada, o terapeuta precisa compreender exatamente o que se passa com o paciente, para não recomendar uma história errada. Depois ele explica o porquê de determinado filme e pede para o paciente anotar os pontos mais sensíveis, que mais mexem com ele, para serem discutidos', explica Joya, que ressalta a importância de o espectador se projetar no protagonista.  'Se julgar importante, assisto aos principais pontos do filme com o paciente no próprio consultório.'

Já o método de Goldberg é diferente. 'Não acredito que precise de uma preparação específica, comenta. Mas em um ponto os dois concordam: ninguém deve se 'automedicar', ou seja, escolher os filmes por conta própria para superar alguma dificuldade.

A mesma opinião tem o psicanalista italiano Vincenzo Mastronardi, professor de psicopatologia forense da universidade La Sapienza, de Roma e autor de 'Filmtherapy - I Film Che ti Aiuano a Stare Meglio' (em português, "Filmeterapia, os Filmes Que Ajudam Você a Estar Melhor'). Na obra, ele catalogou mais de 2 mil títulos indicados para tratar males causados por conflitos familiares e amorosos, dificuldades no trabalho, depressão, ansiedade e distúrbios de humor, entre outros.

Estudioso e seguidor da prática há 30 anos, Mastronardi é um dos maiores especialstas do mundo em filmeter4apia. Inicialmente, ele utilizou a terapia em pessoas com casos de perversões sexuais e com tendência a se fazerem de vítima.  O psicanalista afirma que, ao término do tratamento, os pacientes apresentaram uma sensível diminuição na predisposição para essas patologias.

Uma coisa é certa: mesmo que o resultado não seja o esperado, ao menos você assistiu a um bom filme. (LUCIANA MATTIUSSI, Galileu, setembro/2008, págs. 12, 13).

Cada tipo de filme é indicado para que o paciente lide com um tipo de problema.
Confira os sucessos da locadora da filmeterapia

BAIXA AUTO-ESTIMA

RAY (EUA, 2004) - A treaumática trajetória do pianista Ray Charles - a morte  do irmão menor, a perda da visão aos sete anos, o peso da fama, a luta contra o racismo e a heroína - é um hino à coragem, à determinação e à vontade de viver.  Uma lição de vida para qualquer um

 

DEPRESSÃO

O MÁGICO DE OZ (EUA, 1939) - Reconhecer nosso poder é a grande lição dada por este clássico, segundo os terapeutas.  A história de Dorothy, uma menina que vai parar em um mundo totalmente estranho e desconhecido, é indicada para quem precisa se reerguer

CRISE CONJUGAL

AS PONTES DE MADISON (EUA, 1995) - Um dos mais indicados para quem já traiu o foi traído e não consegue esquecer o episódio.  O romance entre um fotógrafo da National Geographic e uma dona de casa casada, segundo os terapeutas, ajuda a compreender e desmistificar a traição.

QUESTÕES FAMILIARES

O CLUBE DA FELICIDADE E DA SORTE (EUA, 1993) - O filme, que conta a história de quatro famílias chinesas que imigraram para os Estados Unidos e mostra os conflitos entre as gerações, é indicado para quem tem dificuldades para se relacionar com a mãe

INTOLERÂNCIA

PEQUENA MISS SUNSHINE (EUA, 2006) - Quando a excêntrica família se amontoa na Kombi velha para cruzar os Estados Unidos, os personagens passam por todo o tipo de situação. O efeito nas relações interpessoais é marcante.  Uma história perfeita para quem precisa aprender a aceitar as diferenças e as imperfeições alheias

CHOQUE DE REALIDADE

TROPA DE ELITE (BRASIL, 2007) - Ao mostrar um mundo de violência que a maioria não quer enxergar, o sociodrama é indicado para todos. Até crianças, na opinião do psicanalista Jacob Goldberg.  Segundo ele, o filme é importante para que aprendamos a reconhecer a tirania e os nossos inimigos

AUTO-SABOTAGEM

O FABULOSO DESTINO DE AMÉLIE POULAIN (FRANÇA, 2001) - Correr atrás do que se quer ou continuar vivendo em um mundo de fantasia? Essa é a questão central do filme.  As descobertas de Amélie inspirariam a aceitar nossos caprichos, confiar no destino e a se esforçar na busca do que merecemos

PESSIMISMO

UM DIA DE CÃO (EUA, 1975) - Acha que a maré de azar não vai passar e que tudo tende a piorar? Um bom remédio para acabar com tanto pessimismo é assistir a esse drama com Al Pacino, aseado em uma história real. Depois de ver a história de um assalto a banco que dá muito errado, nada vai parecer tão ruim e sem solução

(Galileu supracitada)

Ver mais sobre SAÚDE

Para abrir em nova janela, mantendo esta página aberta, pressione SHIFT ao clicar no link.

- -

BUSCA
Google

PROCURE NA CAIXA ABAIXO