Economia e política, conhecimentos gerais, contos e crônicas, avisos, cartas, humor.

 

O FIM DO MUNDO É POSSÍVEL

 

Não são as profecias mais, nem as profecias bíblicas, nem Nostradamus que nos preocupam. Tudo é fantasia. Mas os fanáticos religiosos que querem dominar o mundo poderão dar fim a ele.  Ou até mesmo um não religioso, como Kin Jong Il por exemplo. 

 

"Rogério Simões | 2009-04-15, 17:15

O alerta está em vários lugares, para aqueles que circulam pelo maravilhoso mundo da internet: o mundo acabará em 2012. Uns dizem que não é exatamente o fim do mundo, mas o fim deste mundo que conhecemos, será na verdade apenas uma grande transformação em 21 de dezembro, no solstício de inverno desse fatídico ano. O fato é que tudo teria sido previsto pelos maias, que eram ótimos astrônomos e cujas profecias costumam gerar bons debates na internet ou conversas de botequim.

A tese de um cataclismo de grandes proporções também é abraçada por muitos ultrarreligiosos que esperam por algum tipo de armagedom planejado por ninguém menos que o grande criador do céu e da Terra. O comediante americano Bill Maher, no hilário filme Religulous, em cartaz aqui em Londres, passa pelo tema com todo o deboche possível e faz, ele mesmo, um alerta particular: a crença religiosa no fim do mundo pode um dia fazer com que a humanidade realmente ponha as mãos na massa e acabe de vez com a vida no planeta azul.

A verdade é que, infelizmente, não estamos imunes a isso. Uma destruição lenta e gradual poderá vir com a constante emissão de gases causadores do efeito estufa e o consequente aquecimento global. Mas o homem continua também detentor de meios para destruir o planeta de forma muito mais rápida. Desde a sua estreia no cenário internacional, em agosto de 1945, no Japão, as bombas atômicas nunca abandonaram completamente o papel de pesadelo coletivo da humanidade. Com isso em mente, Barack Obama falou, em sua recente vinda à Europa, de seu plano para "um mundo sem armas nucleares". O presidente americano afirmou que os Estados Unidos têm "responsabilidade moral" para liderar a comunidade internacional na direção desse objetivo, e as novas negociações com a Rússia nessa área seriam o primeiro passo. Um passo para prevenir o fim do mundo.

Poucos especialistas, entretanto, acreditam ser possível eliminar todas as armas nucleares do planeta. Muitos alertam que seria inclusive perigoso, já que bombas atômicas têm também a capacidade de garantir a paz, servindo como instrumento para deter a possível ação de grupos ou líderes fanáticos que quisessem, deliberadamente, causar a maior destruição possível. Sem armas nucleares, o mundo estaria à mercê de qualquer um que voltasse a fabricá-las. As palavras de Obama seriam, então, apenas uma fonte de inspiração, não devendo ser levadas ao pé da letra. Até porque mal elas haviam sido pronunciadas, a perspectiva da destruição total e inconsequente voltou a preocupar uma pequena faixa de terra no extremo leste do planeta, a Península coreana.

A crise envolvendo a comunista Coreia do Norte e o resto do mundo voltou com força total. O recluso regime suspendeu as negociações sobre o seu programa nuclear e retomou o trabalho em suas usinas. Disse que a decisão do Conselho de Segurança da ONU, de condenar o seu lançamento de um foguete, havia sido uma "declaração de guerra". Como o regime norte-coreano não segue os mesmos parâmetros de raciocínio que normalmente se vê em política internacional, é difícil saber o que pode sair da cabeça do seu líder supremo, Kim Jong Il.

O agravamento da crise reforça os argumentos dos que defendem que tanto os Estados Unidos como as outras potências devam manter seus arsenais, já que sem eles perderiam sua capacidade de pressionar ou até mesmo se defender de regimes fanáticos e imprevisíveis. Com isso, permanece viva a tese de que as armas nucleares vieram para ficar, e o Irã, assim como Paquistão e Índia anos atrás, vê-se no direito de, pelo menos, dominar sua tecnologia. As palavras de Barack Obama seriam uma fonte de inspiração, mas, ao pé da letra, não passariam de uma utopia impossível. Visto dessa maneira, o perigo pode não estar em 2012, mas a profecia maia ainda pode um dia se confirmar." (BBC, Brasil).

 

O mundo não vai acabar em 2012, nem passará por "uma grande transformação em 21 de dezembro" desse ano; a não ser que algum desses fanáticos consiga construir artefato capaz de produzir grande efeito nesse dia. Mas as transformações lentas são preocupantes, e  a ignorância dos que querem substituir o conhecimento pelo sobrenatural está sempre colocando tudo em risco.

 

 

Fui colocar um comentário ao texto da BBC, deu a seguinte mensagem:

"Erro no registro do comentário

O envio do seu comentário não foi possível devido às seguintes razões:

 

Retornar ao post. Retornar ao post.."

 

As razões não existem, mas apenas falha no sistema do site.   Tentei umas três vezes e desisti.

 

 

Ver mais sobre o FIM DO MUNDO.

 

Para abrir em nova janela, mantendo esta página aberta, pressione SHIFT ao clicar no link.

- -

BUSCA
Google

PROCURE NA CAIXA ABAIXO