DEUS TODO-PODEROSO MESMO?


Deus pode tudo, diz o crente. Deus fez maravilhas com os hebreus, está escrito.  Mas eu pergunto: você não desconfiam da inércia desse deus atualmente? E as promessas que tinham tempo marcado da se cumprir, e não se cumpriram?

 

Sem falar das barbaridades desse deus com um dilúvio universal que a geologia desmente, pensemos no cativeiro egípcio. 

 

Uma família estrangeira ter-se-ia multiplicado em quatro séculos no Egito tornando-se dois milhões de pessoas, mesmo tendo o faraó mandado matar suas crianças.  Depois de se aprazer com o sofrimento dessa multidão de escravos, o deus-todo-poderoso teria resolvido libertar seu povo amado.  Escolheu um homem para operar os grandes milagres diante do monarca egípcio, mas, ao mesmo tempo, atuou na mente desse monarca induzindo-o a se contrapor à ordem divina, para ter mais razão para punir, não o faraó, mas toda a população do país, grandes e pequenos, mesmo que não tivessem nada a ver com as maldades do rei.  Dez pragas teria enviado o deus dos deuses para atingir desde os animais domésticos até os filhos primogênitos de toda a população do país, excetuando os da família escolhida que pusesse um sinal na porta para avisar ao anjo da morte que esses não deveriam ser atingidos.  O anjo deveria ser tão inteligente quanto qualquer mortal, que pode enganar-se facilmente e matar que não deveria morrer.  Depois de toda essa barbaridade detalhadamente direcionada, o monstruoso deus teria ordenado para o povo sair do Egito e depois atuado na mente do faraó para tentar impedir essa saída.  Com mais um ato fantástico, teria afastado as águas do mar para o povo passar e o exército do Egito morrer afogado pelas águas que teriam retornado ao devido lugar.  Depois, após matar e mandar que parte de seu povo se matasse uns aos outros, teria feito com que esse povo escolhido ficasse por quarenta anos no deserto até que morressem todos os que teriam saído do Egito, e uma nova geração pudesse entrar naquela terra que seria dominada por seu povo seleto mediante o extermínio de uma porção de nações.  Dali para frente esse povo seria dono do Oriente Médio sendo a nação mais poderosa do mundo para sempre. 

 

Sabemos que as análises arqueológicas desmentem esses fatos, que não existe nenhum vestígio da peregrinação dessa grande multidão pelo deserto, nem qualquer registro egípcio ou de outro povo que confirme que o povo de Israel viveu no Egito.  Mas, para os que acreditam nisso sem levar em conta as evidências contrárias, podemos perguntar:

E povo de Israel se tornou a poderosa nação dona do Oriente Médio?

Aí, religiosos argumentam que o povo desobedeceu a esse deus e ele não cumpriu suas promessas.   Sabemos que os judeus se tornaram o povo mais rigoroso na observância dos preceitos ditos vindo de Yavé, mataram todas as pessoas que adorassem os outros deuses, e a recompensa que tiveram é viver dominados pelos chamados gentios adoradores dos outros deuses, passando de um domínio para outro, até serem expulsos da terra que Yavé lhes teria prometido.

E a tal promessa divina não tinha nenhum "SE", as era peremptória, incondicional:  "Achei Davi, meu servo; com o meu santo óleo o ungi. A minha mão será sempre com ele, e o meu braço o fortalecerá. O inimigo não o surpreenderá, nem o filho da perversidade o afligirá. Eu esmagarei diante dele os seus adversários, e aos que o odeiam abaterei. A minha fidelidade, porém, e a minha benignidade estarão com ele, e em meu nome será exaltado o seu poder. Porei a sua mão sobre o mar, e a sua destra sobre os rios. Ele me invocará, dizendo: Tu és meu pai, meu Deus, e a rocha da minha salvação. Também lhe darei o lugar de primogênito; fá-lo-ei o mais excelso dos reis da terra. Conservar-lhe-ei para sempre a minha benignidade, e o meu pacto com ele ficará firme. Farei que subsista para sempre a sua descendência, e o seu trono como os dias dos céus. Se os seus filhos deixarem a minha lei, e não andarem nas minhas ordenanças, se profanarem os meus preceitos, e não guardarem os meus mandamentos, então visitarei com vara a sua transgressão, e com açoites a sua iniqüidade. Mas não lhe retirarei totalmente a minha benignidade, nem faltarei com a minha fidelidade. Não violarei o meu pacto, nem alterarei o que saiu dos meus lábios. Uma vez para sempre jurei por minha santidade; não mentirei a Davi. A sua descendência subsistirá para sempre, e o seu trono será como o sol diante de mim; será estabelecido para sempre como a lua, e ficará firme enquanto o céu durar. (Salmos, 89: 20-37).
 

Agora, pergunto: onde está o trono que seria "como os dias dos céus", "como o sol"?  Tudo isso não foi mais certo do que as previsões dos charlatães que vemos prevendo nosso futuro todos os anos.  Mas os crentes não conseguem perceber isso e ficam dizendo que deus sempre cumpre as suas promessas!

 

Dizem que essa promessa do reino eterno está preste a se cumprir.  Outra vez, não percebem que o tempo para o cumprimento dessa promessa já ficou num passado de mais de dois milênios e meio.  Vejam os detalhes:

 

“Mas tu, Belém Efrata, posto que pequena para estar entre os milhares de Judá, de ti é que me sairá aquele que há de reinar em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade. Portanto os entregará até o tempo em que a que está de parto tiver dado à luz; então o resto de seus irmãos voltará aos filhos de Israel. E ele permanecerá, e apascentará o povo na força do Senhor, na excelência do nome do Senhor seu Deus; e eles permanecerão, porque agora ele será grande até os fins da terra. E este será a nossa paz. Quando a Assíria entrar em nossa terra, e quando pisar em nossos palácios, então suscitaremos contra ela sete pastores e oito príncipes dentre os homens. Esses consumirão a terra da Assíria à espada, e a terra de Ninrode nas suas entradas. Assim ele nos livrará da Assíria, quando entrar em nossa terra, e quando calcar os nossos termos. E o resto de Jacó estará no meio de muitos povos, como orvalho da parte do Senhor, como chuvisco sobre a erva, que não espera pelo homem, nem aguarda filhos de homens. Também o resto de Jacó estará entre as nações, no meio de muitos povos, como um leão entre os animais do bosque, como um leão novo entre os rebanhos de ovelhas, o qual, quando passar, as pisará e despedaçará, sem que haja quem as livre. A tua mão será exaltada sobre os teus adversários e serão exterminados todos os seus inimigos. Naquele dia, diz o Senhor, exterminarei do meio de ti os teus cavalos, e destruirei os teus carros; destruirei as cidade da tua terra, e derribarei todas as tuas fortalezas. Tirarei as feitiçarias da tua mão, e não terás adivinhadores; arrancarei do meio de ti as tuas imagens esculpidas e as tuas colunas; e não adorarás mais a obra das tuas mãos. Do meio de ti arrancarei os teus aserins, e destruirei as tuas cidades. E com ira e com furor exercerei vingança sobre as nações que não obedeceram.” (Miquéias, 5: 2-15).

 

Quando os judeus deveriam se tornar os donos do mundo?  O texto deixa bem claro: "Quando a Assíria entrar em nossa terra, e quando pisar em nossos palácios".  Quando?  O rei de Judá iria destronar a assíria e repatriar os israelitas que estavam no exílio.  O que ocorreu?  A Assíria entrou na terra de Judá, destruiu um pouco e impôs um pesado tributo aos judeus.  Aí surgiu o Josias, o rei de Judá que deveria estabelecer o reino eterno.  Todavia, Josias morreu na guerra, e o império da Assíria só chegou ao fim por meio do rei de Babilônia, que manteve na servidão israelitas e judeus.  A promessa caiu por terra, e, tanto judeus quanto cristãos continuam dizendo que esse deus cumpre as suas promessas.   Os cristãos dizem que Jesus, outro completo desconhecido dos históriadores de sua época, fez um monte de milagres e por último foi morto e ressuscitado pelo deus todo-poderoso que não cumpriu a promessa de estabelecer um reino eterno nos dias da Assíria. 

 

Outra incongruência quanto ao tempo é que Jesus deveria retornar para estabelecer, não um reino eterno natural, mas um sobrenatural, e isso deveria ocorrer antes que morresse todos os seus contemporâneos:

“Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas essas coisas se cumpram” (v. 34). "Em verdade vos digo que alguns há, dos que aqui estão, que não provarão a morte até que vejam vir o Filho do homem no seu reino." (Mateus 16:28)  Quantas gerações já passaram? Não aconteceram todas essas coisas.  E ainda tem muita gente acreditando que essas coisas irão se cumprir. 

 

Agora pergunto: há razão para acreditar que exista um deus depois de todas essas previsões que não se mostraram melhores do as dos pais de santo e jogadores de búzios de hoje?  Por que esse deus teria feito tanta coisa no passado, e hoje deixam seus adoradores morrerem nas mãos dos terroristas que pretendem estar cumprindo a vontade do mesmo deus?  É algo grotesco!

 

 

Ver mais sobre a INUTILIDADE DE DEUS

 

..

.