ESPÍRITO

 

"Sai-lhe o espírito, e ele volta para a terra; naquele mesmo dia perecem os seus pensamentos." (Salmos, 146:4).

 

Estudiosos do hebraico informam que a palavra "ruach", que aqui é traduzida para espírito, é a mesma usada no Gênesis:  "E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente." (Gênesis 2:7).  "Espírito" (ruach) significa para os primeiros autores bíblicos, "fôlego de vida".  O fôlego sai do homem, "ele volta para a terra", ou seja morre e é sepultado, transformando-se novamente em terra, e seus pensamentos perecem.

 O grego correspondente, "pneuma", e o latim "spiritum" também significam ar.  Daí a origem grega de "pneu", redução de "pneumático", que contém ar; e os nossos verbos "inspirar" e "expirar", que nada mais é do que por ar para dentro e por ar para fora.

 

Não obstante o sentido literal dessas palavras, o homem antigo a ligou a algo que imaginou existir além do nosso corpo, uma parte imaterial capaz de sobreviver à extinção do corpo, conclusão primitiva deduzida do sonho, fenômeno que nos leva a sentir que estamos em lugares os mais diversos enquanto estamos dormindo e nos ocorre um pensamento. 

 

Quando estamos acordados, imaginamos situações e sabemos que elas são simples hipóteses da nossa cabeça. Contudo, quando sonhamos, temos uma imaginação com a sensação de estarmos de fato vendo, e fazendo coisas que apenas imaginamos.  Mas o homem primitivo não entendia isso.  Daí deduziu que seu ser fosse composto de duas entidades, uma material e uma imaterial.  Estava criado o espiritismo antigo, que deu base para o chamado "espiritismo moderno".

 

Pela leitura dos livros mais antigos da Bíblia, percebemos que os hebreus antigos tinham a noção de que o homem, ao ficar privado do ar que respira, não é capaz de pensar mais, além do que não cogitavam eles da existência dessa parte imaterial, ideia que já existia entre outros povos com os quais viriam a conviver. 

 

Pois os vivos sabem que morrerão, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco têm eles daí em diante recompensa; porque a sua memória ficou entregue ao esquecimento. Tanto o seu amor como o seu ódio e a sua inveja já pereceram; nem têm eles daí em diante parte para sempre em coisa alguma do que se faz debaixo do sol.” (Eclesiastes, 9:5, 6).   Assim pensavam os judeus antes do cativeiro babilônico.

 

Após viverem na Babilônia, aprenderam a ressurreição dos mortos e também que existiria esse espírito que não seria simplesmente o ar que respiramos, mas uma entidade imaterial que sobrevive quando o corpo morre.

 

O novo testamento está cheio de referências contraditórias à vida após a morte. Na parábola do Rio e Lázaro, o rico morreu e foi sepultado, mas se achava vivo sofrendo entre as chamas daquele lugar de tormento que também foi descoberto pelos judeus na Babilônia (Yavé não tinha criado esse inferno antes de eles sofrerem esse exílio).   Essa situação de eterno sofrimento do rico seria irreversível.    Já na carta do apóstolo Pedro, os espíritos dos mortos teriam oportunidade de se livrar desse sofrimento.  Afirma ele que Jesus "pregou aos espíritos em prisão". Se "foi o evangelho pregado também aos mortos”, esses mortos estariam tendo uma oportunidade de ser salvos (I S. Pedro, 4: 5, 6).

 

Contrariando a parábola "Rico e Lázaro" e a carta de Pedro, o próprio Jesus teria afirmado que a condenação ao sofrimento após a morte só viria no futuro, no chamado "dia do juízo": "Em verdade vos digo que, no dia do juízo, haverá menos rigor para o país de Sodoma e Gomorra do que para aquela cidade." (Mateus 10:15).  Conforme esse texto, os habitantes de Sodoma e Gomorra não estariam sofrendo no inferno como o rico da parábola, mas viriam a sofrer após esse "dia do juízo".

 

Como se vê pelos textos bíblicos mais antigos e as próprias palavras da nossa língua, "espírito" é o ar que inalamos e exalamos, mas os religiosos deram à mesma palavra o sentido de uma suposta parte imaterial de cada pessoa.

 

Ver mais em ALMA OU ESPÍRITO

 

 

Ver mais POR QUE SE CRÊ

 

..

.