.

GÊNESIS - CAPÍTULO ÚNICO -- 12/08/2001

.

A GÊNESE EM VEZ DO GÊNESIS
 

(1) No princípio, não sabemos como era, mas certa vez ocorreu o “Big Bang”, que deu origem a bilhões de galáxias, e em uma dessas, após alguns bilhões de anos, de alguns fragmentos se formou o sistema solar, onde está a terra.

(2) A terra era sem vida, uma bola incandescente; mas sua distância do sol, possibilitando um resfriamento até uma temperatura adequada, foi propícia ao surgimento da vida, que veio a se desenvolver nas águas.

(3) E o sol projetou sua luz sobre a Terra.

(4) E a luz era boa, proporcionando calor na medida certa e possibilitando o resfriamento gradativo da terra; e houve separação entre a luz e as trevas, à medida que a terra girava, ficando uma parte iluminada e outra escura.

(5) E à luz é o que chamamos dia, e às trevas chamamos noite. E se passaram muitas tardes e manhãs do primeiro estágio, não apenas o dia primeiro.

(6) E não se formou um firmamento no meio das águas, mas águas em alguns corpos no universo, entre eles a terra.

(7) O pensamento primitivo, devido às chuvas, foi de que um criador separou as águas que estavam debaixo do firmamento das que estavam por cima do firmamento, o que assim NÃO foi.

(8) Chamou-se posteriormente ao firmamento céu. E foram passando incontáveis tardes e manhãs, NÃO apenas o dia segundo.

(9) E as águas contidas na terra se acumularam em suas depressões, ficando exposto o elemento seco. E assim foi.

(10) E o elemento seco é o que se chama hoje terra, e o ajuntamento das águas, mares. E isso é bom.

(11) E as reações químicas deram origem à vida vegetal, que evoluiu “em relva, ervas que dão semente, e árvores frutíferas que, segundo as suas espécies, dão fruto que têm em si a sua semente, sobre a terra. E assim foi”.

(12) A terra, pois, produziu relva, ervas que davam semente, evoluindo em muitas espécies, e árvores que davam fruto que tinha em si a sua semente, derivando também muitas espécies. E isso foi muito bom.

(13) E foram bilhões de tardes e manhãs, o terceiro estágio, NÃO simplesmente um dia terceiro.

(14) E NÃO foi dessa vez que se formaram “luminares no firmamento do céu, para fazerem separação entre o dia e a noite; sejam eles para sinais e para estações, e para dias e anos”; pois eles já existiam antes da terra;

(15) e serviram os luminares no firmamento do céu, para alumiar a Terra. E assim foi.

(16) Pensava-se no passado que “Deus, pois, fez os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a noite; fez também as estrelas”. Hoje se sabe que o chamado “luminar maior” é apenas uma pequena estrela.

(17) E realmente é o sol que serve “para alumiar a terra”.

(18) para governar o dia e a noite, e para fazer separação entre a luz e as trevas.” E isso é bom.

(19) E isso NÃO constitui um “dia quarto”, mas muitos dias, muitas tardes e manhãs.

(20) E produziram as “águas cardumes de seres viventes”; mas NÃO surgiram ao mesmo tempo “as aves acima da terra no firmamento do céu”. Essas derivaram de muito tempo de evolução.

(21) E a vida marinha evoluiu constantemente, surgindo “os monstros marinhos, e todos os seres viventes que se arrastavam, os quais as águas produziram abundantemente”. E isso foi bom.

(22) E a vida se espalhou pelas águas dos mares, até alguns saírem para a terra.

(23) E foi mais um estágio, que poderia ser o quarto, mas NÃO “o dia quinto”.

(24) E os répteis aquáticos se adaptaram à vida na terra, evoluindo para outros seres viventes surgindo muitas “espécies”. E assim foi.

(25) E os seres selvagens se diversificaram em muitas espécies, dessa vez alguns desenvolvendo asas, surgindo, AGORA SIM, as aves. E isso foi bom.

(26) E um dos animais desenvolveu muito a atividade cerebral, passando a tentar dar explicação a tudo. Esse animal, que dá nome a todos os outros, a si mesmo denominou homem. Inconscientemente, disse: Façamos os deuses à nossa imagem, “conforme a nossa semelhança; dominem eles sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais domésticos, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se arrasta sobre a terra”, até sobre nós.

(27) Criou, pois, o homem deuses à sua imagem e semelhança e à semelhança dos outros animais; à imagem do homem e de outros animais os criou; deuses e deusas os criou. E o homem passou a confiar seu destino aos deuses que ele próprio criara e pensou serem esses deuses os criadores de todas as coisas. Em períodos mais avançados, alguns reduziram o número dos deuses a dois, Masda, o deus do bem, e Arimã, o deus do mal. Mais adiante, surgiram os hebreus, que se restringiram a crer em um único deus, Jeová, considerado o criador de todas as coisas.

(28) E hoje o homem se multiplicou, encheu literalmente a terra e está sujeitando-a; domina “sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra.” O homem já está compreendendo muitos dos fenômenos que no passado atribuía às divindades; não obstante, a maioria da humanidade ainda crê na existência delas.

 

Ver mais RELIGIÃO

..