O MUNDO VAI ACABAR DE UMA FORMA OU DE OUTRA

 

O mundo vai acabar mesmo.  Não como as religiões anunciam, mas o nosso mundo, mais cedo ou mais tarde, terá fim.

 

Impacto de asteroide, asteroides, catástrofes ambientais e até o ataque de um supervírus são ameaças inevitáveis.  E podem acontecer a qualquer momento.  Saiba por quê.

Esta edição especial da Superinteressante, ed. 311-A, de novembro de 2012, traz informações sobre várias coisas que poderão dar fim ao nosso mundo.

 

APOCALIPSE ASTRONÔMICO
É o jeito mais certeiro de acabar com o mundo. Eventos astronômicos - da colisão de um asteroide à explosão de uma supernova - são tão absurdamente poderosos e energéticos que podem produzir intensa devastação de forma praticamente instantânea. E o pior: mais cedo ou mais tarde, eles sempre acontecem. O único consolo é que o Universo é um lugar bem grande. É preciso estar no lugar errado, na hora errada, para se dar mal.

APOCALIPSE GEOLÓGICO
Olhando a Terra do espaço, como fazem os astronautas, temos a impressão de um mundo amistoso, calmo, pacífico. Entretanto, se pudéssemos enxergar lá do alto as entranhas do planeta, veríamos um quadro bem diferente - em essência, uma panela de pressão prestes a explodir. E bem sabem os geólogos que às vezes ela de fato faz "bum". O resultado é a extinção maciça de espécies. Ainda não enfrentamos nada dessa natureza, como supervulcões ou a súbita perda do campo magnético, mas, se acontecer, pouco poderemos fazer.


APOCALIPSE AMBIENTAL
A vida na Terra participa de uma intrincada rede de relações, em que atmosfera, oceano, fauna, flora e micro-organismos os mais diversos têm papel preponderante. Uma mexidinha nessa equação - por ação humana direta ou por alguma transformação na natureza - pode quebrar o delicado equilíbrio e transformar o ambiente de forma radical. Por vezes, a mudança é cataclísmica. Já aconteceu antes e pode ocorrer de novo.

APOCALIPSE TECNOLÓGICO
O instinto destrutivo da humanidade, forjada no seio da evolução pela seleção natural, é inegável. Não é à toa que, para toda nova tecnologia, por mais bem intencionada que seja, damos um jeito de encontrar potenciais usos maléficos. Até aí, tudo bem. Desde que surgimos, estamos fazendo isso. O problema é quando a civilização atinge um estágio tecnológico tal que seu poder pode levar à autodestruição - intencionalmente ou por acidente. Faz quase 70 anos que chegamos a esse ponto. E a coisa só tende a piorar.

 

 

Ver mais sobre o FIM DO MUNDO

 

..

.