Economia e política, conhecimentos gerais, contos e crônicas, avisos, cartas, humor.

OS DOIS LADOS - OS MORTOS ESTÃO VIVOS?

Há cristãos e cristãos. Cristãos dizem que Cristo disse, e cristãos dizem que Cristo não disse.  Cristãos creem que os mortos estão inertes e inconscientes, e cristãos afirmam que os mortos estão vivos e no céu ou no inferno.

CRISTÃOS MORTALISTAS

Questões Bíblicas para análise:
1) Se a pessoa ao morrer fosse para o céu ou para o inferno, que necessidade haveria de Jesus voltar e nos ressuscitar, se já estivéssemos no céu? (os de Cristo, na sua vinda - I Cor. 15:23). É ilógico Jesus enviar-nos do céu 'em espírito' para a sepultura para depois ter de ressuscitar. Como harmonizar a doutrina da ressurreição com a doutrina imortalista?
2) Como crer que ao morrermos vamos para o céu se em Hebreus 11:39 e 40 os heróis da fé ainda não obtiveram a concretização da promessa, pois Deus não quer que sem nós eles sejam aperfeiçoados? (Lembremos de I Cor. 15:20).
3) Como crer na doutrina da imortalidade da alma sendo que a eternidade do homem era condicional à obediência a Deus, e por desobedecer Adão foi privado da árvore da vida para que não se tornasse imortal como Deus? Nós não comemos da árvore da vida... (Gênesis 3:22-23). Porque iremos comer da árvore da vida no céu se nosso espírito é imortal? (Apocalipse 22:2).
4) Se somos imortais, porque devemos ainda “buscar a imortalidade e a incorruptibilidade”? (Romanos 2:7). Se devemos buscar, é porque não a temos.
5) Porque Jesus diz ser a morte um sono? (João 11:11-14) Porque Jesus disse, após Sua ressurreição, que durante a morte “ainda não tinha subido para o Pai?” (João 20:17).
6) Como harmonizar a doutrina da imortalidade da alma com o texto de Mateus 16:27, no qual diz que “a recompensa será dada quando Jesus voltar”? Se estivessem os mortos no céu ou no inferno, já teriam recebido a recompensa...Tal doutrina (vida após a morte) não se harmoniza com a doutrina do Juízo.
7) Jesus disse em João 11:25: “... Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; (João 11:25 grifo meu); Ele não disse: “... ainda que morra, vive...”. “Ao contrário, Ele declarou, que no futuro trará da sepultura aqueles que morreram nEle. Veja João 5:28 e 29”.

(www.jesusvoltara.com.br/atuais/alma_espirito.htm)

Isso parece muito claro.

Mas vejamos também a clareza do lado imortalista.

CRISTÃOS IMORTALISTAS

"Porque também Cristo morreu uma só vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; sendo, na verdade, morto na carne, mas vivificado no espírito; no qual também foi, e pregou aos espíritos em prisão; os quais noutro tempo foram rebeldes, quando a longanimidade de Deus esperava, nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca; na qual poucas, isto é, oito almas se salvaram através da água, 21 que também agora, por uma verdadeira figura-o batismo, vos salva, o qual não é o despojamento da imundícia da carne, mas a indagação de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo" (I Pedro, 3: 18-21).  "Pois é por isto que foi pregado o evangelho até aos mortos, para que, na verdade, fossem julgados segundo os homens na carne, mas vivessem segundo Deus em espírito." (I Pedro, 4: 3).    Se os mortos estão inconscientes, por que o  evangelho foi pregado aos mortos? 
 

"Ora, havia um homem rico que se vestia de púrpura e de linho finíssimo, e todos os dias se regalava esplendidamente.  Ao seu portão fora deitado um mendigo, chamado Lázaro, todo coberto de úlceras;  o qual desejava alimentar-se com as migalhas que caíam da mesa do rico; e os próprios cães vinham lamber-lhe as úlceras.   Veio a morrer o mendigo, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; morreu também o rico, e foi sepultado.  No inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe a Abraão, e a Lázaro no seu seio.  E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e envia-me Lázaro, para que molhe na água a ponta do dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama.  Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que em tua vida recebeste os teus bens, e Lázaro de igual modo os males; agora, porém, ele aqui é consolado, e tu atormentado.  E além disso, entre nós e vós está posto um grande abismo, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem os de lá passar para nós." (Lucas, 16: 19-26).
Aí também está bem claro, Lázaro morreu e foi para o céu; o rico morreu e foi para aquele lugar de eterno tormento.   Diz os outros cristãos que isso é apenas uma parábola.  Mas uma parábola é uma figura que se deve basear em realidade.   Se a predileção pelos pobres, ou a situação dos judeus e dos gentios, como querem os cristãos, se poderia ilustrar pelo pós morte de um rico e um mendigo, o autor da parábola estava de acordo que após a morte o homem segue para o céu ou para o inferno.

Quem está com razão? Não é a chamada palavra de Deus que diz claramente uma coisa e outra? Afinal, os mortos estão inconscientes, dormindo no pó da terra, ou estão conscientes e podem ouvir o evangelho e se salvar?   Mas outra contradição se encontra dentro do próprio lado imortalista: por que Jesus teria pregado o evangelho a mortos para que pudessem ser salvos, e o rico e o Lázaro tiveram selados seus destinos, não havendo mais volta?

O que ocorreu, que cristão nenhum admite, é que uns dos autores bíblicos criam que o homem morre, dorme e acorda no dia quem o filho de deus retornar; outros autores já criam que, após a morte, o homem tem um espírito que se desprende do corpo e continuam vendo, ouvindo e sentindo tudo como os vivos, além do que, entre estes últimos há uma subdivisão: uns acreditavam que ainda há esperança para os mortos, e outros criam que, após a morte nada pode ser mudado no destino do homem.

Ver mais CONTRADIÇÕES BÍBLICAS
 

Ver mais RELIGIÃO

Para abrir em nova janela, mantendo esta página aberta, pressione SHIFT ao clicar no link.

- -

BUSCA
Google

PROCURE NA CAIXA ABAIXO