POR QUE OS CRISTÃOS NÃO VEEM AS DISTORÇÕES

 

Um leitor, ao examinar minhas explicações sobre as distorções que os escritores cristãos fizeram dos textos das escrituras hebraicas, ficou impressionado com o fato de os cristãos não verem o quanto essas distorções estão à mostra.  Confesso que eu também, fiquei pensando muito nisso até analisar o contexto em que essa doutrina se desenvolveu gradativamente.  Mas, é impressionante mesmo como isso permaneceu tanto tempo oculto.

"Eu acho que o sucesso que a bíblia faz com as pessoas, principalmente, aquelas que não têm acesso a informações que falem contra ela, se deve aos evangelhos, enfim, a vida de Jesus e as palavras que dizem que ele falou. As outras partes que compõem a bíblia não afetam tanto as pessoas, a não ser o apocalipse, que muitas pessoas evitam até ler, com medo.

A vida de Jesus, como se lê na bíblia é cheia de passagens emocionantes e tem alguns ensinamentos que mexem com quem lê. Se os evangelhos são obra dos antigos cristãos, com a intenção de perpetuar o nome de Jesus, eles foram bem espertos no que fizeram, pois até hoje muitas pessoas acreditam, sem dúvida alguma no que está escrito.

O fato dos antigos cristãos terem modificado o sentido de alguns textos e passagens do antigo testamento, para atribuir tudo a Jesus é impressionante, mas, ao mesmo tempo, tão simples, que eu fico pensando como pessoas cultas de antigamente e de agora, na atualidade, não observaram isso.

Gostaria de saber sua opinião sobre este assunto
."

A aceitação incondicional da Bíblia foi implantada gradativamente, de forma que, hoje, quem nasce em uma família cristã tem uma resistência imensa a qualquer coisa que contrarie aquilo que consideram divino.

 

Os evangelhos, escritos já no final do primeiro século, falavam de uma pessoas miraculosa, que teria feito cegos enxergarem, aleijados readquirirem a perfeição física, surdos ouvirem, e, os mais incrível, mortos ressuscitarem.  Todavia, ninguém fora do grupo cristão tomou conhecimento de que existisse essa pessoa.   Ademais, dizem os evangelhos que sua fama percorreu toda a região.  E por que alguém tão famoso teria sido desconhecido para Filon e outros escritores que viveram em seus dias no mesmo lugar?
Se nos dias apontado como a época de Jesus, ninguém registrou nada sobre ele,  isso indica que, ou ele era pessoa muito insignificante, não fazendo nada do que dizem ter ele feito,  ou não existiu.  Algumas décadas depois do tempo apontado como da morte dele, já existem alguns registros mencionando seu nome, os quais os estudiosos chegaram à conclusão de serem inserções posteriores, uma vez que as autoridades da Igreja só vieram a citar tais passagens séculos depois.  Se fossem verdadeiras, teriam sido mencionadas antes.  E, ainda que que se admita que essas passagens tenham sido escritas por aqueles escritores, ele já escreveram o que ouviam dizer.   E, num mundo onde não havia as informações que temos hoje, não era fácil eles verificarem sobre a veracidade do que ouviam ter ocorrido muitos anos antes.

 

Mas, diferentemente das outras religiões, o Cristianismo teve algo muito importante para torná-lo a maior religião do mundo: a sua oficialização como religião do império.   Nada é mais interessante para um povo pobre e sem esperança do que a promessa de uma vida eterna e feliz depois da morte.  Isso conquistou os pobres, a grande maioria da população.   No século IV, vendo toda a massa crendo nessa promessa de ressurreição, o imperador romano percebeu que não havia melhor opção do que acatar tal doutrina como a religião oficial do império.  Como não havia unanimidade, havendo centenas de grupos com idéias extremamente divergentes, ao adquirir o poder político, o grupo cristão romano cuidou de eliminar todos os outros, uniformizando assim o pensamento cristão.    A prova mais clara disso ainda existente hoje são as contradições doutrinárias encontradas nos poucos livros que foram selecionados para compor o chamado Novo Testamento.   E, com a descoberta de diversos livros que a Igreja não conseguiu apagar por completo, isso ficou mais evidente ainda. 

 

Quando o império romano foi dissolvido, todos os povos que formaram os novos estados já estavam cristianizados, formando uma Europa essencialmente cristã, onde os próprios governantes se submetiam á vontade dos bispos de Roma como a vontade divina.  Assim, a Igreja se sobrepôs a todos os governantes e esses, ao colonizarem mais a metade do mundo, destruíram povos nativos, subjugaram outros e implantaram as suas crenças nas cabeças dos sobreviventes. 

 

Pedaço de texto fora do contexto  -  Quando os cristãos primitivos utilizavam pedaços de citações dando sentido diverso, uma população analfabeta não tinha condições de analisar os livros e ver que o contexto era outro.  Com o tempo, dado avanço do movimento,  e com as falsificações praticadas pelas autoridades eclesiásticas, pessoas mais esclarecidas passaram a aceitar tudo como verdade.  Já parecia que aquilo não podia ser mentira.

 

Pecado duvidar -  Para os que desconfiavam dos enganos, existia esta ameaça: “Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado” (Marcos, 16: 16).

 

Tentação do diabo - Muitos que leem os textos  quais os cristãos tiraram tais citações, mesmo vendo que se referem a outra coisa, ao apresentarem aos mestres das igrejas atuais, ouvem que é o diabo que leva as pessoas a pensar de forma errada e achar que os textos dizem outra coisa. Dizem os tais mestres que, embora o texto se referisse a coisas do passado, aquelas coisas eram uma figura de outras que estavam por acontecer.  E, assim, muitas pessoas hoje pegam um texto e, inadvertidamente, acreditam no que dizem: que ele se refere a dois ou três acontecimentos em épocas diferentes, como podemos ver na citação em A GRANDE TRIBULAÇÃO OU TEMPO DE ANGÚSTIA NÃO PODE REPETIR-SE.

 

 

 

..

.