O REENQUADRAMENTO DE SÃO MALAQUIAS -- 11/01/2004 -
(Anticristo)

 

Como conheci as profecias de São Malaquias há poucos anos, eu não sabia que sua interpretação tinha sido refeita uma vez. Hoje, quando fui ver o que havia a respeito na internet, encontrei a mais interessante das explicações. A profecias do fim do mundo, por serem conhecidas há muito tempo, já foram interepretadas de dezenas ou centenas de modos diferentes. Mas a de São Malaquis, por ser nova, parece que já teve só uma redefinição. Mas tudo se reencaixou perfeitamente no passado. É o que informa Mario Jorge Dourado.

"São Malaquias (em irlandês antigo: Malachy Máel Máedóc Ua Morgair; em irlandês moderno: Maelmhaedhoc O'Morgan) nasceu em 1094 na Irlanda. Ainda na adolescência tornou-se abade de Armagh. As suas visões começaram em 1139 na sua primeira viagem a Roma. Foi canonizado em 1199 pelo Papa Clemente III." (Wikipédia).

"Dentro desse contexto religioso e fim-de-mundista, uma das profecias mais interessantes que conheço é a atribuída a São Malaquias. Ele não teria previsto o fim do mundo - previu apenas a lista de papas. Para cada Papa, desde Celestino II no ano de 1143 até Pedro II, o último papa, São Malaquias escreveu - ou teria escrito - um título em latim seguido de uma pequena frase para definir seu pontificado. É uma profecia interessante, pois envolve a própria religião com o aspecto de fé intrínseco às profecias, e ainda prevê o fim do mundo de uma forma indireta - com o fim da lista de papas.

Conheci a profecia de São Malaquias no início dos anos 70, quando o Papa Paulo VI, cada vez mais velho e doente, passou a ser figura obrigatória nas profecias de final de ano. "O Papa terá sérios problemas de saúde em 1972, podendo inclusive vir a falecer", já diziam alguns profetas de fim de ano. "O Papa terá sérios problemas de saúde em 1973, podendo inclusive vir a falecer", insistiram no ano seguinte. "O Papa terá sérios problemas de saúde em 1974, podendo inclusive vir a falecer", e assim foi até finalmente acertarem a morte do Papa em 1977.

A profecia de São Malaquias era muito clara, pelo menos para as interpretações da época. "Pastor et Nauta" era o título que definia Paulo VI. Pastor e navegante. Uma unanimidade - Paulo VI era, na época, o papa que mais tinha viajado em todos os tempos, levando a fé a vários lugares do mundo. Um verdadeiro "pastor et nauta" como previra São Malaquias. Antes dele, "Pastor Angelicus", o título do Papa João XXIII, era outra unanimidade. Um papa de muita paz, devoto da Virgem Maria. "Fides Intrepida" (Fé Intrépida) definia Pio XII, que fora papa durante toda a Segunda Guerra Mundial e início dos anos 50. "Religio Depopulata" (Religião Despovoada) definia muito bem Pio XI, papa de 1922 a 1939, período de ascensão do comunismo, nazismo e fascismo, outro acerto de São Malaquias.
Os papas futuros seriam poucos. "Flos Florum" seria o sucessor de Paulo VI. Todos apostavam em um francês, pois o cardeal francês Jean Villot era figura importante no Vaticano na época, e a frase completa de São Malaquias falava em pátria e lírio (símbolo da monarquia francesa) - "eis a flor das flores, eis o lírio coroando as virtudes santíssimas da pátria, as quais foram preditas no Senhor". Depois do francês viria o "De Medietate Lunae" (Da Metade da Lua), que todos apontavam como sendo o papa na época na invasão muçulmana na Europa. Em seguida viriam o "De Laboris Solis", "De Gloria Olivae" e finalmente o "Petrus Romanus", apontado como o último papa. E aí, fim do mundo.

Na sucessão de Paulo VI, a surpresa - nada de francês. Veio o simpático Papa João Paulo I, que não tinha nada a ver com lírio ou França para ser o "Flos Florum", e morreu em 33 dias. E as especulações sobre um possível papa de origem síria ou qualquer coisa do gênero para ser o "De Medietate Lunae" foram desfeitas com a eleição do polonês Karol Wojtyla para Papa João Paulo II.
Tempo: alguns anos. Passou toda a década de 80, toda a década de 90, novamente pesquiso alguma coisa sobre profecias na virada de 2000. E vejo que São Malaquias continua firme e forte.
Mas agora houve uma mudança. Um deslocamento. Um "shift" papal, para ser um pouco mais pedante.

O sucessor de Paulo VI não seria o "Flos Florum", mas sim o "De Medietate Lunae
". João Paulo I é que teria sido o "De Medietate Lunae" porque seu pontificado durou 33 dias - de uma meia-lua para a meia-lua seguinte. Nada a ver com muçulmanos e coisas assim.

João Paulo II foi definido como "De Laboris Solis", um Papa trabalhador, lembrando o sol dos campos poloneses e similares.
Paulo VI foi redefinido. Não é mais "Pastor et Nauta", mas passou a ser o "Flos Florum". Descobriram alguma ligação com o lírio, parece que tem um lírio no seu brasão ou alguma coisa parecida com lírio.
João XXIII deixou de ser "Pastor Angelicus" e virou "Pastor et Nauta". Apesar de quase não ter viajado. Mas como ele foi bispo de Veneza durante alguns anos, a definição se encaixa, afinal deve ter andado bastante de gôndola para poder ser "nauta". E "pastor", ninguém discute.

Pio XII virou "Pastor Angelicus". Serve, pois todo papa é pastor, e de algum modo tem devoção pela Virgem Maria. Pio XI virou "Fides Intrepida". E assim sucessivamente até encontrarem algum papa duvidoso no passado (houve casos de mandatos-tampão e papas não eleitos no passado), caraterizarem-no como merecedor de uma frase de São Malaquias para ser criado o "shift" papal e poderem acertar a interpretação da profecia
.

Acho até que ficou coerente, "De Medietate Lunae" para o João Paulo I, e "De Laboris Solis" para João Paulo II - especialmente o João Paulo II do início do papado, rosadão, queimado de sol, alpinista, esquiador. Mas fico impressionado como se muda assim uma interpretação de profecia e fica tudo bem. As definições antigas, de Paulo VI, João XXIII, os três Pios, que eram consideradas coerentes, foram simplesmente mudadas para o papa anterior e pronto, arrumaram pontos de explicação e a profecia continuou valendo. Foram inclusive descobertos textos antigos mostrando que a interpretação correta tinha sido sempre esta, o "Pastor et Nauta" para Paulo VI é que fora um erro grosseiro.
Pensando bem, a profecia de São Malaquias vale para quaisquer papas. Se cidade onde morou, flor do brasão e acontecimentos gerais servem para caracterizar que a profecia se cumpriu, então com um pouco de pesquisa, praticamente qualquer papa deve atender a qualquer frase atribuída a São Malaquias.

Não sei quando essa profecia apareceu pela primeira vez. Mas, muito provavelmente, deve ser um texto conhecido no máximo há uns 100 ou 200 anos. Não acredito que estejam há mil anos com o texto na mão acompanhando e ticando a profecia a cada papa que surge. Meu palpite - sou completamente cético, como todo bom Taurino - é que alguém escreveu essas profecias há uns 100 ou 200 anos, e calculou mais ou menos para o último papa, o Pedro II, cair perto do ano 2000 - o ano que sempre foi tido como o do Fim dos Tempos. Mas como os papas mais recentes têm tido pontificados maiores e elevaram a média papal (apesar dos 33 dias de João Paulo I) - Pio XI ficou 17 anos, Pio XII 19 anos, Paulo VI 16 anos, João Paulo II completou 24 anos em 2001 - acabou errando o cálculo. Dessa forma, ainda temos além de João Paulo II como "De Laboris Solis", o papa "De Gloria Olivae" para finalmente entrar o "Petrus Romanus", o presumido último papa.

Quem viver mais dois papas, verá se o "Petrus Romanus" vem mesmo para fechar a lista, ou não”.

(*) Mario Jorge Dourado é carioca, casado, tem 44 anos, 3 filhos e - entre outras coisas - adora escrever, a maioria das vezes sobre bobagens e temas absolutamente irrelevantes para a história da humanidade.

http://www.umacoisaeoutra.com.br/cultura/shift.htm

Sabemos que o terceiro segredo de Fátima previa coisas horríveis para acontecer até o ano 2000 e nada aconteceu; depois, como esse segredo ainda era muito secreto mesmo, foi mudado para apresentação depois de 2000. As profecias bíblicas, essas têm tantas interpretações, que é até difícil lembrar. As de Nostradamus que marcaram datas caíram, mas muitos ainda são consideradas verdadeiras. Agora, ainda restam alguns anos para São Malaquias. O papa João Paulo II, que deveria morrer antes do final de 2002, assim como o Paulo VI, continua sobrevivendo ao fim previsto. Vamos ver se os próximos viverão tanto. E o fim sempre está próximo."

 

Obs.: Esse texto foi escrito em 2004.  A imagem dos papas foi adicionada em atualização em 2014, já com mais um papa.  Agora, desde 2013, já temos o Petrus Romanus, o argentino descendente de italianos. O mundo católico está quase no fim.

Ver mais PREVISÕES DO FUTURO

 

..

.